TIPOS DE CRISE FINANCEIRA

As crises financeiras são muito comuns nas economias modernas e
trazer muitos problemas para representantes de empresas e governos. As crises financeiras, seus mecanismos e consequências são bastante diversas. Para entender melhor a essência dos eventos, é útil poder identificar crises. Para “familiarizar-se” com crises financeiras, consideraremos sua tipificação e características gerais de cada tipo.

O CONCEITO DE CRISE FINANCEIRA
A crise financeira se refere a uma situação bastante diversa em que algumas empresas ou ativos financeiros (como ações ou títulos) perdem drasticamente uma parte significativa de seu valor.
É claro que as crises financeiras afetam principalmente o setor financeiro da economia. No entanto, devido ao fato de o setor real estar intimamente ligado ao financeiro, essas crises se refletem em todos os setores da economia e levam a um declínio na produção, um aumento no desemprego, uma diminuição no bem-estar da população, etc.

TIPOS DE CRISE FINANCEIRA

 Agora que o primeiro conhecimento do conceito de crise financeira e suas conseqüências ocorreu, passaremos diretamente aos tipos de crise financeira:

Crise bancária

Uma crise bancária é uma situação em que um banco sofre um afluxo repentino e maciço de clientes que desejam sacar depósitos, como resultado do qual o banco não pode pagar todos os depositantes.

Vale a pena explicar que, na situação descrita, não há elemento de fraude por parte do banco: o sistema bancário é projetado para que os bancos obtenham dinheiro emitindo empréstimos às custas dos depositantes; é claro que a demanda repentina de reembolso não pode ser atendida pelo banco sem “assistência externa”.

Uma situação em que muitos bancos estão enfrentando um fluxo de clientes que desejam sacar seus depósitos ao mesmo tempo é chamada de crise bancária sistêmica.

É claro que, no caso de uma crise, um banco (ou vários bancos em crise sistêmica) não recebe apoio externo, existe o risco de falência do próprio banco. Além disso, em tempos de crise, o banco deixa de emitir empréstimos, o que afeta drasticamente os produtores de bens e serviços que precisam de empréstimos para o funcionamento normal. Assim, a crise bancária se espalha por todo o sistema econômico.

Exemplos de crises desse tipo são, por exemplo, crises bancárias na América Latina nos anos 80.

Market Bubble Crash

Economistas dizem que um ativo financeiro mostra uma bolha se seu preço exceder o valor presente da renda futura desse ativo.

Em outras palavras, uma bolha ocorre quando o preço de um ativo é excessivamente alto em comparação com a renda que o ativo trará. Portanto, essa é uma situação em que as pessoas são otimistas demais com as perspectivas de um ativo.

É claro que essa situação não pode durar para sempre e, mais cedo ou mais tarde, a bolha estourará 1. Como resultado do rápido declínio no valor dos ativos, seus proprietários se tornam mais pobres. O que ontem custou muito pode custar nada hoje. Como vários ativos em uma economia desenvolvida são frequentemente usados ​​como garantia ou garantia para atrair outros empréstimos, uma perda repentina de fundos acarreta uma diminuição na classificação de crédito ou mesmo a falência de 2 proprietários de ativos deteriorados. É claro que, no caso de falências massivas, as empresas credoras das falências de hoje se tornam candidatas à falência amanhã.

É muito importante que, como resultado desses choques, as empresas diretamente afetadas e seus parceiros mudem seu comportamento para serem mais cautelosos: novos projetos de investimento são adiados, a contratação de funcionários é suspensa e os volumes de produção reduzidos. Tudo isso pode levar a uma “desaceleração” da economia – estagnação.

Exemplos de bolhas: mania de tulipas na Holanda, uma bolha no mercado imobiliário japonês dos anos 80, uma bolha de empresas de alta tecnologia (dotcoms) em 2000, uma bolha em 2007 no mercado de valores mobiliários relacionado a títulos hipotecários nos EUA, etc.

  1. Note-se que nem todas as bolhas estouram: às vezes, reavaliação das expectativas e, consequentemente, uma queda nos preços pode ocorrer gradualmente. Nesses casos, fale sobre “explodir” a bolha.
  2. Esse foi o caso em 2008, quando, após o colapso da bolha no mercado de ativos relacionados a obrigações hipotecárias, muitas empresas faliram, mantendo esses ativos em suas contas.

Crise cambial

A crise cambial, ou, como também é chamada, a crise da balança comercial externa, ocorre quando o valor da moeda doméstica muda drasticamente. Tais situações podem ser o resultado de ações voluntárias dos governos ou as consequências dos chamados ataques especulativos.

Assim, por exemplo, quando a venda ativa de ativos cambiais por investidores estrangeiros (saída de capital) e investidores domésticos começa, a taxa de câmbio começa a sofrer “pressão”. Essa situação é agravada se um sistema de taxa fixa for adotado no país: o estado deve escolher entre gastar uma quantidade significativa de reservas para apoiar a taxa de câmbio e uma mudança acentuada na taxa de câmbio para enfraquecer”Pressão”. Como resultado, muitas vezes a moeda muda seu valor drasticamente, o que leva a consequências para os setores real e financeiro.

Um exemplo de crise cambial é uma forte desvalorização que ocorreu após um default soberano na Rússia em 1998.

Padrão soberano

A falência do estado é um padrão soberano: uma situação em que o estado reconhece que não pode pagar suas obrigações.

Como a crise cambial, o default soberano pode ser o resultado de políticas econômicas imprudentes e de choques econômicos. De qualquer forma, imediatamente após a declaração de um default soberano, as obrigações governamentais perdem acentuadamente em valor, as saídas de capital começam e uma crise cambial ameaça.

Um exemplo de inadimplência soberana é a crise de 1998 na Rússia.

Crise de liquidez

O conceito de crise de liquidez descreve uma das situações:

  • O estado geral de desconfiança mútua no sistema bancário, que leva ao desaparecimento temporário de empréstimos.
  • Falta de dinheiro experimentado por uma empresa em particular.

Às vezes, o termo é usado como sinônimo de redução de crédito.

Se falamos da crise de liquidez, que aparece em toda a economia, é de certo modo um tipo especial de crise financeira: na maioria das vezes surge como a primeira consequência de outras crises, como as bancárias ou o colapso de bolhas especulativas.

A situação de crise de liquidez foi observada, por exemplo, no mercado americano após o colapso em 2007 de uma bolha de títulos relacionados a títulos hipotecários.

RESUMO
A crise financeira refere-se à situação de um declínio acentuado e significativo no valor de ativos financeiros ou organizações inteiras. A complexidade do sistema financeiro determina a existência de diferentes tipos de crises financeiras, entre as quais crises bancárias, quedas de bolhas de mercado, crises cambiais e inadimplências soberanas, além de crises de liquidez. Devido à estreita conexão do sistema financeiro com o setor real da economia, as crises financeiras se espalharam rapidamente para a esfera da produção de bens e serviços e freqüentemente causam um declínio na produção, aumento do desemprego e uma diminuição geral do bem-estar.

FATORES QUE INFLUENCIAM O CURSO DE MOEDA EURUSD
Zona do euro – 12 países que usam o euro no cálculo do produto nacional bruto: Alemanha, França, Itália, Espanha, Holanda, Bélgica, Áustria, Finlândia, Portugal, Irlanda, Luxemburgo e Grécia.

BANCO CENTRAL EUROPEU (BCE)
Monitora a política monetária da zona do euro. O órgão de tomada de decisão é o Conselho de Governadores, composto pelo Conselho e pelos governadores dos bancos centrais nacionais. O Conselho inclui o Presidente do BCE, o Vice-Presidente e quatro outros membros.

Objetivos de política do Banco Central Europeu

O principal objetivo do BCE é a estabilidade de preços. Existem dois “pilares” principais da política monetária. O primeiro é a perspectiva de eventos de preços e os riscos de estabilidade de preços. A estabilidade de preços é definida como mantendo o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) em não mais de 2%. O segundo é o crescimento monetário medido pelo M3. O BCE recomenda uma taxa de crescimento anual de 4,5% para o M3.

 
O Conselho do BCE se reúne a cada segunda quinta-feira do mês para anunciar as taxas de juros. Ao se reunir pela primeira vez todos os meses, o BCE realiza uma conferência de imprensa na qual dá uma perspectiva sobre a política monetária e a economia como um todo.

TAXAS DE JURO DA ZONA EURO
A taxa de refinanciamento do BCE é a principal taxa de juros de curto prazo do banco usada para gerenciar a liquidez. A diferença entre a taxa de refinanciamento do BCE e a taxa de fundos dos EUA é um bom indicador do movimento do par de moedas EUR / USD.

EUROPOSSITE DE 3 MESES (EURIBOR)
Taxa de juros da Euribor a 3 meses, ou seja, um depósito feito em bancos fora da zona do euro serve como uma referência valiosa para determinar as diferenças nas taxas de juros e ajudar a avaliar as taxas de câmbio. Como exemplo teórico para EUR / USD – uma grande diferença de taxa de juros a favor da euribor versus o depósito em dólar e euro indica a probabilidade de um aumento no par EUR / USD. Às vezes, essa proporção não funciona devido à influência de outros fatores.

OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS DE 10 ANOS (OBRIGAÇÕES)
Outro fator importante na taxa EUR / USD é a diferença nas taxas de juros entre os EUA e a zona do euro. O Bund alemão de 10 anos de idade é comumente usado como referência. Como a taxa de juros de 10 anos é menor que a nota do Tesouro dos EUA de 10 anos, espera-se que o estreitamento do spread (ou seja, aumento do papel alemão ou da redução do papel americano) beneficie o EUR / USD.

Aumentar a propagação atuará contra o curso. Portanto, o spread EUA-Alemanha de 10 anos funciona com bastante confiança. A tendência, neste caso, é geralmente mais importante que os valores absolutos. A diferença nas taxas de juros, é claro, se correlaciona com as perspectivas de crescimento dos Estados Unidos e da zona do euro.

DADOS MACRO ECONÔMICOS
Os dados econômicos mais importantes para a região vêm da Alemanha, a maior economia. Os dados principais são geralmente produto nacional bruto (CVR), inflação (IPC e IHPC), produção industrial e desemprego. Na Alemanha, em particular, uma parte importante dos dados é exibida na pesquisa IFO, que é um indicador amplamente usado da atividade comercial. Igualmente importante é o déficit orçamentário de cada país, que, de acordo com o Tratado de Crescimento e Estabilidade, deve permanecer abaixo de 3% do produto nacional bruto. Os países também têm objetivos para reduzir ainda mais seus déficits, e as dificuldades em alcançá-los serão, com toda a probabilidade, prejudiciais ao euro.

EFEITO DO CURSO TRANSVERSAL
A taxa EUR / USD às vezes é influenciada pelo movimento de taxas cruzadas (taxas que não são do dólar), como EUR / JPY ou EUR / CHF. Por exemplo, EUR / USD pode cair como resultado de fortes notícias positivas do Japão, que são filtradas por uma queda na taxa EUR / JPY.

FUTUROS EURO DE 3 MESES (EURIBOR)
O contrato reflete as expectativas do mercado para depósitos em euros e euros em três meses (euribor). A diferença entre os futuros em dinheiro do Eurodólar em três meses e os futuros de depósito em Euro-Euro é imprescindível para determinar as expectativas do EUR / USD.

OUTROS INDICADORES QUE INFLUENCIAM O MOVIMENTO DE PARES EURUSD
Existe uma forte correlação negativa entre EUR / USD e USD / CHF, refletindo a semelhança entre o euro e o franco suíço. Isso ocorre porque a economia suíça é fortemente dependente da economia da zona do euro. Na maioria dos casos, uma queda no par EUR / USD é acompanhada por uma queda no EUR / CHF. No entanto, em uma situação de crise, isso nem sempre funciona.

FATORES POLÍTICOS
Como todas as taxas de EUR / USD, é suscetível à instabilidade política, como a ameaça de um governo de coalizão na França, Alemanha ou Itália. A instabilidade política ou financeira na Rússia também é uma bandeira vermelha para EUR / USD devido a uma quantidade significativa de investimentos alemães direcionados à Rússia.